• Estava com Saudade de Ti – Eliana Ribeiro
  • Que Santidade de Vida – Mons. Jonas
  • Adeus Ano Velho Feliz Ano Novo
  • NOSSA MISSÃO / ADRIANA ARYDES
  • DAI-ME FORÇAS / Banda Chama

Enquanto os homens exercem seus podres poderes !

Postado por Pe Moacyr Ramos Nogueira em 10/mar/2018 - Sem Comentários

O assunto do momento da terrinha, novamente volta a ser a nossa visada Catedral e a praça das palmeiras…Vejam bem, entendam que no passado, essa pauta, não via internet/facebook, mas como notícia de jornal (mais de papel do que de tv) também vivia em “bocas de Matildes” !!!

Tudo porque, um bendito visionário com o nome de Monsenhor Raul Motta, pároco desta instituição, resolveu reformar a catedral com tamanho refinamento e boa vontade, que chegou a insultar a maioria da população caratinguense, acostumada aos  moldes de beleza “coronelisticamente cafonas” e que ressalto aqui, não mudaram uma vírgula até hoje, em pleno século XXI, aonde os nomeados “coronelisticamente cafonas”, podem viajar com maior facilidade e até mesmo, via internet (este super acessório de comunicação) conhecer o mundo, sem nem mesmo precisar sair do seu minúsculo mundinho, mas que infelizmente, preferem ficar aonde estão, “no trono de um apartamento, com a boca escancarada cheia de dentes, esperando a morte chegar”! (assim já profetizava Raul Seixas !)

Esse meu querido visionário, publicou uma matéria super explicativa e didática num jornal aqui da terrinha, intitulada “A praça da catedral é da igreja”,escrita com total respeito a todos e cheias da bondade e educação que lhe é peculiar, mas resolvi validar suas palavras aqui no meu espaço também, uma vez que fui um dos profissionais de arquitetura que trabalharam na reforma e revitalização da igreja e conheci de perto toda a força de vontade deste homem franzininho de corpo, mas de coração e cérebro realmente imensos, e friso aqui: O que existe de belo hoje em nossa cidade é a catedral de São João Batista e esses créditos, devem ser dados à este meu querido franzininho !

Explicando a praça:

Inicialmente, a praça da igreja era dividida em duas como se pode ver no croqui abaixo…

O que ocorre é que no final da década de 80, a pedido da igreja, essa rua foi fechada por motivos óbvios:

  1. Unificar a praça – não fazia sentido esse caminho cortado para a circulação de carros, uma vez que quase ninguém completava o circuito da praça (praticamente todo mundo cortava caminho naquela rua em frente a igreja)

  2. Fazer a construção de uma escadaria mais adequada ao porte da igreja (que é a sede da diocese), entendam que a catedral, para de fato ser chamada assim, precisava se adequar a várias exigências arquitetônicas!

  3. Viabilizar o estacionamento em frente à igreja aos fiéis em dias de missa – entendam também que este espaço já era um local aonde carros ficavam estacionados!

O que vale à pena lembrar, esclarecer e frisar é que toda a obra de incorporação deste espaço foi feita pela catedral, que não contou com nenhum centavo do dinheiro público ! Aliás, todas as obras de restauro e revitalização desta igreja, foram feitas através do meu incansável franzininho, que venceu e chegou a reta final de toda essa empreitada, sempre com doçura e um sorriso nos lábios, combatendo o bom combate e mais uma vez, apesar de fazer parte dos bens patrimoniais da cidade, a catedral (pelo menos nos anos em que estive junto ao Monsenhor como arquiteta), nunca recebeu nenhum centavo das verbas destinadas ao patrimônio, nada, zero, zerinho mesmo !

Tudo o que existe ali, foi feito pelo dinheiro de doações das pessoas, que pasmem: Utilizam o estacionamento em frente a igreja para assistirem a missa aos finais de semana !

 A praça é da igreja! Essa é a verdade! Se a igreja quiser, ela pode inclusive cercar ela toda, sabiam disso ??? É lógico que isso, de longe nunca foi e nem será a intenção desta instituição, mas ela tem esse direito!

Está na hora de nossa sociedade “coronelisticamente cafona”, começar a descobrir que o próprio umbigo, definitivamente não é o centro do universo, que você não será um bom profissional nesse ou naquele lugar porque precisa se auto afirmar puxando o saco dos seus provedores, que as coisas não são bem assim, que a gente tem que dar a César o que é de direito dele, porque não consigo entender o cúmulo da hipocrisia e da prepotência na demanda que se instaurou aqui, delegadas por conselheiros que de patrimônio pouco entendem e que usam da praça prá promover pessoas de sua família, instalando ali monumentos que nada têm a ver com o que tange a arquitetura desse espaço, aliás o que existe de monumentos ali, affffff !!!  Vão desde a homenagem ao coelhinho da páscoa ao papai Noel, não desmerecendo essas duas figuras, mas que nada contam de histórias que possam conjugar de semelhante com aquele espaço!

Está na hora de enxergar e parar de exercer como já dizia Caetano, os “podres poderes” e usar acima de tudo da sinceridade e do conhecimento de causa antes de causar tantos desafetos simplesmente porque alguém (no caso a igreja) está utilizando como bem quer um espaço que verdadeiramente a pertence !

Pronto, falei !  🙂

Ana Martha Ligeiro Marques – Arquiteta e Urbanista / Designer de Interiores

Arquiteta que trabalhou na reforma da Catedral